Não falar pode ser um problema?

Quem me conhece sabe que eu falo muito. Dizem por aí que as mulheres falam o dobro de palavras dos homens em um dia. Eu falo o triplo. E gesticulando, fazendo caras e bocas, pra deixar tudo beeeem mais completo.

Sempre fui assim. Aprendi a falar cedo e de lá pra cá não parei mais.

Na escola era sempre aquela mesma coisa: "ah.. ela é uma ótima aluna. A melhor da sala. Tem excelentes notas. O único problema é que ela é agitada demais, conversa muito. E com isso atrapalha os amiguinhos."

Isso nunca tinha sido encarado como um problema pra mim até que um dia o cafa comentou comigo que uma das coisas que mais irritavam ele era o fato de eu falar o tempo todo.

E aí parando pra pensar no assunto eu comecei a ver que eu realmente falava demais. Então resolvi parar de falar.

Mas aí que entra o problema. Eu resolvi parar de falar o essencial.

Quer falar comigo sobre futebol, BBB e séries? Ótimo! Falaremos por horas. Quer trocar receitas? Ótimo também. Quer discutir meus sentimentos? Não obrigada.

Não falo mais o que eu sinto. Pra ninguém.

Se estou chateada com alguma amiga eu sumo, espero a raiva passar e depois apareço. Muito mais prático do que abrir o jogo.

E assim é pra todo mundo: família, amigos, namorado...

Quando estou com raiva vou dormir mais cedo, comer alguma coisa, mas conversar sobre isso não.

O único problema é que por mais que eu não queira falar sobre isso minha cara mostra o mau humor. E ai aquele bico gigante aparece e me entrega.

Quem me vê sempre sorrindo estranha quando eu estou de cara amarrada. Mas pra mim é mais fácil ficar assim do que abrir o jogo.

Eu até consigo abrir o jogo sobre coisas pequenas. Mas as coisas realmente importantes, não.

E o que isso faz comigo? Noites mal dormidas, dor de estõmago o dia todo e muita dor no corpo. Quando eu abro o jogo tudo isso passa. Ou quando eu simplesmente abstraio também.

Eu sou uma pessoa que explode as vezes, mas que também esquece rapidamente. Então normalmente é apenas uma questão de tempo.

Mas até lá da-lhe chás, Omeprazol e banhos quentes.

3 comentários:

Vanessa disse...

Engraçado , eu sou de falar pouco :-)

Este é um comentário convite.
Como vc participou da coletiva O livro da minha vida, estou convidando para mais um evento sobre literatura em 18 de abril no Fio de Ariadne.
Visite o Fio amanhã, 08 de abril e, caso se identifique com a ideia, coloque seu nome na lista e concorra a um livro da Jorge Zahar Editor.

Abraço

Nanda disse...

se é uma coisa que te faz mal,eu acho que guardar é ruim.mas eu sou muito parecida com você nesse aspecto.quando eu estou com algum problema, eu faço qualquer coisa,mas não falo.só falo mesmo quando alguém insiste, aí eu desabafo mesmo,mas isso raramente acontece.
o negócio é dar uma distraída ,ouvir uma mpuisca, conversar sobre outras coisas...pelo menos isso funciona comigo...

bjs

Deusa disse...

Acho q temos q ter um meio termo, nem deixar de falar nem falar demais, tem hora q realmente disparamos e falar e esquecemos o desconfiaometro o q pode acabar sendo ruim, o q geralmente acontece qnd o ouvinte nao esta afim de ouvir e sim de falar.