O que você quer ser quando crescer?

Eu adoro o que eu faço. Quem me conhece sabe disso. E mais: percebe isso. Porque eu sou uma pessoa muito empolgada falando do meu trabalho. Sou capaz de passar hoooras falando do meu projeto, do meu laboratório, etc.


Mas quando eu era mais nova eu nem sonhava em fazer o que faço hoje em dia. Já quis ser professora de matemática, policial, dona de casa, quis estudar os oceanos...


Mas a lembrança mais marcante que eu tenho é, de com uns 7, 8 anos de idade, colocar folhas, flores e sementes das árvores que tinham no meu quintal dentro dos perfumes da minha mãe. Ou então dentro do vidro de álcool.

Achava aquilo o máximo. E achava lindo ter um perfume com um monte de pétalas de rosas dentro. O álcool descoloria as folhas e flores e o perfume de incolor ficava verde, ou laranja, ou vermelho.


O mais interessante é que só fui lembrar disso anos mais tarde, quando já fazia Farmácia. Foi quando percebi que mesmo sem saber o que eu queria fazer, eu já ensaiava o que eu faço hoje.

Farmácia é algo que eu realmente gosto. Mas cozinhar... ah.. como isso me faz feliz.

Cozinhar é relaxante. Colocar um monte de coisas soltas numa panela e depois de um tempo aquilo se tornar uma comida saborosa, colorida e nutritiva é muito legal.

Eu particularmente gosto de cozinhar pra muita gente. Essa coisa de fazer comida pra uma pessoa só não é comigo. E eu não gosto de cozinhar pouco. Tem que ser com fartura. Nada daqueles pratos de restaurantes caros com uma batata e uma folhinha. Tem que encher um prato, e consequentemente dar água na boca.

Parando pra pensar, chego a conclusão de que a minha praia sempre foi as misturas. Farmácia é uma cozinha de substâncias químicas: você pega um pouquinho do seu fármaco, um pouquinho de outro fármaco, uma pitada de antioxidante, e mais outras coisinhas e aí depois de triturar, misturar e "peneirar" você tem seu medicamento pronto bem ali.

E cozinhar.. ah cozinhar todo mundo sabe o que é. Uma mistura de sabores, cheiros e cores que quando bem feita alegram qualquer almoço de domingo.

3 comentários:

Loira e Morena disse...

Nossa, somos opostas entao.. eu nao gosto de cozinhar e nunca nem gostei muito de quimica..heheeh
Mas é muito bom quando fazemos o q gostamos né, fazemos com mais prazer!

Beijaooo da Morena!

Anna Oh! disse...

Ah, cozinhar é terapêutico, é íntimo e coletivo ao mesmo temp, eu adoro.
E acho q desde cedo a gente tem inclinações ao q escolhemos fazer pro resto da vida. Eu queria saber o sentido do mundo, da vida, das coisas. O pq dos sentimentos, quem eu sou e quem todo mundo é. Maluquice, uma criança nerd, mas mto legal lembrar disso.
Bjão e bom findi!

Patricia disse...

Então, somos meio parecidas, cozinhar não é o meu forte (não gosto meeeeeesmo) e química eu amo, mas não a sua, reações organicas lá vá, agora extração? síntese? nppn!??!!!??!?! no waaaaaaaaay :*